As poesias mais vitoriosas da batalha do SLAM RESISTÊNCIA foram reunidas em um livro, que captou a essência dessa forma literária manifestada nas ruas.

Esta expressão poética desenvolve-se há mais de 30 anos, quando o SLAM surgiu nos EUA. No Brasil é mais recente, porém, são pelo menos 30 espaços que consagram a pratica do SLAM e só em SP são 10 locais que já realizam um dos circuitos mais importantes, onde cola gente de todo tipo e de todo lugar.

É um espaço democrático que a galera vem dizer o que tem que ser dito.

Configurada com algumas regras, essa batalha poética promove a disputa entre as poesias que tem que ser autoral sendo de tema livre.

Os juízes são escolhidos ali mesmo na platéia, os caras vêm com vontade de externar suas “idéias” e o bagulho se torna visceral.

Apesar do tema ser livre, tudo de mais recente e relevante que esta acontecendo nesse mundo de conflitos culturais que vivemos acaba virando conteúdo dessas poesias, alem é claro dos temas clássicos do amor ao sexo.

A relevância das poesias fizeram os vídeos bombarem nas redes sociais com milhões de visualizações e de repente tinha uma galera se identificando; incluindo aqueles que acreditaram quando Paulo Leminski profetizou a concepção e o futuro da vídeo-poesia.

Assim foi aparecendo um material de tanta qualidade que sentimos a necessidade de publicar isso em um livro, que é o VANDALISMO LÍRICO, ressaltando ainda, a elaboração e contribuição magnifica de um material gráfico especialmente realizado para impactar e trazer no visual aquilo que vem a mente durante as batalhas que atravessam nossas emoções e concepções, e também, criar uma conectividade dos vídeos em mídia digital de cada texto do livro com cada autor “descendo a letra” e que ficará disponível e acessível no mundo virtual.

Essa curadoria sintetiza uma sociedade marginal atual e pensante. Propagar esse pensamento é apostar na arte como modificadora de consciências.

Quer ajudar a bancar esse livro? Deixe a quantia que puder, mas mais que isso, seja também uma voz do SLAM RESISTÊNCIA toda primeira segunda-feira do mês na escadaria da Praça Roosevelt com a Rua Augusta a partir das 19hs.

Sem massagem na mensagem, SLAM RESISTENCIA!